A ver esfihas...
Durante a correria das últimas duas semanas (que foi, também, a razão pela qual não atualizei o blog na velocidade em que gostaria), fiz duas paradas no fast-food Habib's - em dois restaurantes localizados em lugares diferentes. Comida legal, não? Meio exótica, sucos deliciosos e sobremesas tentadoras. É.

Não foi a primeira vez que comi lá. Mas foi, certamente, a primeira vez em que fui extremamente mal-atendida.
No primeiro fast-food, a comida demorou horrores para chegar - e tínhamos horário a cumprir. Quase que tivemos de sair carregando as esfihas e comendo no caminho. Aí chegou a hora de pagar... e foi aí que me subiu o sangue. Tudo bem, não sou exatamente uma pessoa paciente. Mas a atendente que estava responsável pelo caixa me fez realmente entender o significado pleno e desagradável da expressão "cara de cú". Perdoem-me pela linguagem xula, mas não há outra palavra que descreva a face da funcionária, que se irritou profundamente ao ter que registrar o pagamento da mesa 45, em que sentávamos, por achar que ela já havia feito tudo. Como se não bastasse, ainda ficou fazendo cara feia para a supervisora e para o colega que tentavam ajudar.

Na outra filial, sentamos, examinamos o menu, decidimos o que íamos pegar e pedimos. Meia hora depois, chamamos o garçom e ele havia aparentemente esquecido de registrar o pedido. Que beleza, não? No caixa, os atendentes foram um pouco mais simpáticos.

Pode ser que eu tenha coincidentalmente pego os funcionários em um dia ruim. Mas mesmo assim... em todos os trabalhos - especialmente envolvendo o atendimento direto ao cliente, espera-se que os problemas pessoais e o eventual (e normal) mau-humor seja colocado de lado. É o que fazem nos bons restaurantes.

A todos aqueles que gostam do Habib's: não se enfureçam. Eu também gosto da comida de lá. Estou meramente apontando que, em um restaurante, o mínimo que eles devem fazer é atender de forma respeitosa e eficiente.

Como já disse, não foi a primeira vez que fui lá, e posso afirmar que não será a última. Acho um ambiente diferente e legal. Só espero que, da próxima vez, eu possa fazer o pedido, recebê-lo em um tempo aceitável e pagar sem ter que ficar encarando uma atendente mal-humorada.
4 Responses
  1. Teilor Says:

    Pior mesmo foi aquele meu suco de goiaba com gosto de papel reciclado.

    Pelo menos na terça eu consegui tomar um suco de abacaxi no Habibi's da Goethe.


  2. Nicole Says:

    fui apenas uma vez no habbib's e também fui atendida de má-vontade pela moça do caixa e pelo garçon. será que eles ganham tão mal que precisam trabalhar assim, ranzinzas? eu, hein? ;
    ;**


  3. Raquel Says:

    Tá louco! É de colocar a comida de volta no prato, virar as costas e ir embora!
    =P


  4. Dennis Mag Says:

    Normal Raquel, os atendentes, vendedores e a fins andam meio desanimados, ou maltreinados. Sei lá.
    Eu não deixo barato não, tenho fama de barraqueiro, mas eu sei atender. Minha história no atendimento começou lá na VRAIG em 1996 em São Paulo e se estendeu para a América do norte-USA, onde costumo trabalhar em restaurande UPSCALE e "Fine Dining" http://www.jackslajolla.com/2008/home.html, mas também acostumado com público menos refinado, no entanto faço questão de desprender todo o meu respeito e dedicação aos meus clientes. Por isso desço do salto quando sou maltratado em qualquer estabelecimento comercial. da próxima vez tu me convida, todo mundo já me conhece na cidade. Quando eu chego...vc precisa ver. Vamos fazer um teste um dia?
    Tem que por a boca mesmo...
    Beijão guria, tey blog tah bombando.


Postar um comentário

Comenta, vai!